O blogue "Diário de um sociólogo" foi seleccionado em 2007 e 2008 pelo júri do The Bobs da Deutsche Welle - concurso internacional de weblogs, podcasts e videoblogs - como um dos dez melhores weblogs em português entre 559 concorrentes (2007) e um dos onze melhores entre 400 concorrentes (2008). Entrevista sobre o concurso de 2008 no UOL, AQUI.
Para todas aquelas e todos aqueles que visitarem este diário, os meus votos de um 2017 habitado pelo futuro, pela confiança, pela tranquilidade e pela saúde. Sintam-se bem e regressem sempre a este espaço criado a 18 de Abril de 2006. Abraço índico.
Myspace Layouts

31 janeiro 2010

Prismas


A nomeação de Verónica Macamo para presidente da Assembleia da República sob a bandeira da Frelimo fortalece o poder da elite do Sul sobre as instituições do país - é o que diz a mais recente notícia sobre o nosso país na imagem em epígrafe, extraída do Africa Intelligence, aqui.
Pergunta: o que têm os leitores a dizer deste prisma político-regional?

5 Comments:

Blogger BMatsombe said...

Podia dar um bom debate. E o primeiro-ministro (do Naissa), onde fica encaixado?

31/1/10 10:17 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

o proprio Guebuza nasceu no Norte de Moçambique

31/1/10 5:43 da tarde  
Anonymous ricardo said...

Eis mais um SOFISMA que, desta vez, e o respeitavel Indian Ocean Newsletter que nos tenta impingir.

Senao vejamos. Por Mulembwe ser do Niassa, isso significa que aquela provincia esteve mais representada na governacao? Errado. O Niassa mantem-se a regiao mais isolada e desfavorecida do pais. E o seu poder na AR materializava-se segundo esse criterio regional? Errado.

Entao porque e que se insiste nesta tese peregrina? Justamente para ocultar o problema principal que e a composicao do funcionalismo publico adstrito a certos ministerios-chave, esses sim, com desequiilibrio regionais evidentes nos seus recursos humanos. Por exemplo, na Defesa, o nucleo duro e oriundo de Niassa e Cabo Delgado. Nas Financas, nucleo duro e quase exclusivamente de Inhambane, e assim por diante.

Para concluir que, a ascencao de Veronica Macamo a Presidente da AR NAO altera o paradigma do equilibrio de poder por via da luta armada. Pois desde o inicio, foi obvio a FRELIMO foi constituida por carne para canhao de Niassa, Cabo Delgado e Tete, e estrategas eminentemente de Maputo, Gaza e Inhambane. Mesmo quando Pedro Comissario levantou a questao dos quadros Senas, estava claro que ELE nao estava a pedir ministros Sena, mas sim a reivindicar a ascensao de mais funcionarios Sena equitativamente no funcionalismo publico.

Isso sim, seria mais interessante verificar se realmente tem estado a respeitar o equilibrio politico-regional de Mocambique.

31/1/10 6:03 da tarde  
Blogger umBhalane said...

Ao Sr. Anónimo de 31/1/10 5:43 PM

Eu também nasci em Moçambique, no Centro!!!

31/1/10 9:35 da tarde  
Blogger Reflectindo said...

Em Mocambique é difícil, senão impossível falar aberta e formalmente sobre questoes regiões e de etnicidade. Estamos numa sociedade fechada. O que não queremos falar aqui quase que todos falam "informalmente". Crescemos com uma certa proibicão para falar disso que já custou vidas.
Em sociedades abertas fala-se disto abertamente e formalmente. Lá há muitos estudos, há exigências para inclusão a partir do topo até na empresa e não se acha normal governos que se formam com base na amizade e familiaridade (NEPOTISMO). Daí o indice de desenvolvimento económico e humano ser mais alto lá e baixo na nossa sociedade.

3/2/10 8:54 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home